sexta-feira, maio 29, 2009

Elogio ao Amor (Miguel Esteves Cardoso)



"Há coisas que não são para se perceberem. Esta é uma delas. Tenho uma coisa para dizer e não sei como hei-de dizê-la. Muito do que se segue pode ser, por isso, incompreensível.A culpa é minha.
O que for incompreensível não é mesmo para se perceber. Não é por falta de clareza. Serei muito claro. Eu próprio percebo pouco do que tenho para dizer. Mas tenho de dizê-lo.
O que quero é fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade.
Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão.

Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria. Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo".

O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões.

O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam "praticamente" apaixonadas.

Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço.

Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas.

Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?

O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental".

Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade.

Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto.

O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino.
O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende.

O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser.

O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém.
Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente.

O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem.
Não é para perceber.
É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir.

A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a Vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também."


Miguel Esteves Cardoso – Expresso


Imagem:internet



quinta-feira, maio 28, 2009

Wolfgang Amadeus Mozart faleceu ,em Salzburgo ,a 28 de Janeiro de 1787 .


Foi um dos maiores compositores de música erudita de todos os tempos.

Começou aos 5 anos a escrever pequenos duetos e composições para piano.


Compôs ao todo 626 obras. 41 sinfonias, centenas de concertos, sonatas, músicas sacras e de câmara, além de 13 óperas.

Entre as de maior destaque estão, “As Bodas de Fígaro”, “Don Giovanni”, “A clemência de Tito” e “A flauta Mágica”.




Apesar de a achar melancólica, é uma das minhas preferidas. (Sonata Piano Concerto n-º 21)



quarta-feira, maio 27, 2009

Pintura de uma amiga

Uma amiga dotada para as artes decorativas, dedicou-se à pintura.

Ofereceu-me, como prenda de anos, esta belíssima tela em acrílico. Já a incentivei a abrir um blog para divulgar a sua arte.

Deixo aqui este” cheirinho”.

O original está muito melhor que a foto.





terça-feira, maio 26, 2009

Miles Davis nasceu a 26 de Maio de 1926

Foi trompetista e compositor de jazz, norte-americano.

Miles Davis pertenceu a uma classe tradicional de trompetistas de jazz.

Como trompetista ,Davis tinha um som puro e claro.Tinha um registo baixo e minimalista de tocar.

Uma de suas obras-primas foi o álbum "Kind of Blue", de 1959.


Gosto de o ouvir tocar..."Summer Time"



Pesquisa:internet

segunda-feira, maio 25, 2009

Cantiga Romanceada


Poesia Religiosa
Rainha Santa Isabel
“Milagre das rosas”


De Isabel de Aragão ouso falar,
misturando a verdade com a lenda.
De Navarra também veio esta prenda.
Seu avô, D. Jaime, ao dela falar,
Isabel, Rainha de Portugal,
em caridade só Deus foi rival.

“a rosa de Aragão” chamar-lhe quis.
Com El-Rei D. Dinis fez casamento
e, colaborando no incremento
do reino, o marido disse: eu quis
Isabel, Rainha de Portugal,
em caridade só Deus foi rival.

que ora fossem aumentados os seus bens.
Com mais rendas surgem albergarias,
conventos e aos pobres...melhorias.
Paz familiar conseguida a bem,
Isabel, Rainha de Portugal,
e em caridade só Deus foi rival.

espalhou a harmonia e o amor
aos carenciados de toda a sorte.
Já Deus a distinguiu antes da morte,
fazendo milagres. Sem desamor,
Isabel, Rainha de Portugal,
em caridade só Deus foi rival.

vendo-a ao povoléu abençoar,
que, rindo, recebia algum pataco,
o Rei inquiriu: porquê tal recato?
Senhor, só o bom povo abençoei,
Isabel, Rainha de Portugal,
em caridade só Deus foi rival.

pois deram-me flores de bom cheirar.
Logo ela abriu o seu casto regaço
e das muitas moedas todo o espaço
lugar deu a rosas p’r Ele cheirar,
Isabel, Rainha de Portugal,
em caridade só Deus foi rival.

serenando a inquietação real.
Mas uma vez mais El-Rei, encontrando
fora D.Isabel e perguntando
o que ia no regaço de real,
Isabel, Rainha de Portugal.
em caridade só Deus foi rival.

se seriam esmolas feitas de pão…
Respondei, minha Esposa e Rainha,
e dizei o que escondeis tão azinha.
Sorri, mas, acariciando os pães,
Isabel, Rainha de Portugal,
em caridade só Deus foi rival.

responde:meu Marido e meu Senhor,
não sentis o fino odor destas rosas
que aqui trago e que são das mais formosas?
Desdobra o regaço e aos pés da Senhor
Isabel, Rainha de Portugal,
em caridade só Deus foi rival.

caem lindas flores. D.Isabel,
morto D. Dinis, tornou-se clarissa.
Foi Rainha da Paz e da Justiça.
Jaz em Coimbra, seu leal donzel.

O Anjo da Paz foi D. Isabel.
A todos fez bem, a ninguém quis mal.




Coimbra, 25 de Maio de 2009
Agostinho Alves Fardilha (o meu pai)


Vocabulário:
Senhor(substantivo uniforme)=amo, patrão, dona, senhora;

Estrutura da poesia:
cantiga (romanceada), de refrão, atafinda, mozdobre(ou mordobre) e finda, em estrofes de quatro versos decassilábicos(agudos e graves). Rima interpolada(nas estrofes).

Esquema: a b b a C C A c

Esclarecimento:
A rainha D. Isabel de Aragão era filha de D. Pedro III de Aragão e de D. Constança, de Navarra. Era seu avô D. Jaime I, o “Conquistador”.

Imagem:internet


domingo, maio 24, 2009

Amores


“ O primeiro amor é o adolescente, o segundo tende a reparar os distúrbios do primeiro, e o terceiro, com sorte, será o nosso, o da maturidade.”

Cristina Ferreira
Psicóloga

Notícias Magazine- 24/05/2009
Imagem:internet

sábado, maio 23, 2009

MEME do Dicionário

Recebi este Meme do blog http://www.mym-pt.blogspot.com/. Aceitei! Aqui vai!


1) Pegue o dicionário, de preferência de língua portuguesa, mais próximo que você encontrar...
2) Abra esse dicionário em qualquer página...
3) A primeira palavra que vir, retire-a e digite-a no “Google Imagens“...
4) Faça uma postagem a dizer qual a palavra que foi sorteada...
5) E mostre o primeiro resultado da imagem conseguida, digitando essa palavra.





Palavra: centauro (monstro fabuloso, com corpo de cavalo e busto de homem).

Repasso este desafio a todos os meus seguidores.

Gostava que o levassem.

sexta-feira, maio 22, 2009

Faz hoje 85 anos

Charles Aznavour é um cantor francês de origem arménia, também letrista e actor.

Além de ser um dos mais populares cantores da França, é também um dos cantores ,franceses, mais conhecidos no mundo.


Destaquei as canções de que mais gosto.

Ouçam-nas comigo!




quarta-feira, maio 20, 2009

“Torga morria!”



Torga em versão SMS


VIAGM

É o vnto k m lva.
O vnto lusitano.
É st sopro humano
Univrsal
K nfurna a inkietaçao d Portugal.
É sta fúria d loucura msnsa
K td alcança
Sm alcançar.
K vai d céu em céu,
D mar em mar,
Ate nc chgar.
É sta tntaçao d m ncontrar
+ rico d amargura
Nas pausas da avntura

Para informação, mais detalhada, leiam aqui e aqui
JN 20/05/2009

Portugal Profundo


Apreciem o nosso” Portugal Profundo” com características rurais onde o silêncio, o ambiente e o sossego aliados ao acolhimento das suas gentes são motivo para merecer a nossa visita.




Fotos:recebidas por e-mail

terça-feira, maio 19, 2009

Momento de Poesia


EU QUERIA



Eu queria você aqui, agora,
me dando um beijo, me olhando e...
sonhando.

Eu queria você
me beijando no ouvido,
falando baixinho,
me fazendo sonhar...

Eu queria você
me tirando do espaço,
me roubando um suspiro...

Eu queria você
para deitar no seu peito,
despertar o desejo,
esquecer o que é direito...

Eu queria você
para te olhar bem de perto,
te beijar sem censura,
te levar à loucura...

Eu queria você
brigando comigo
se te corto um pouquinho,
ou te chamo a atenção...

Eu queria você
a me morder de mansinho,
me fazer um carinho,
me fazer flutuar...

Eu queria você
para afagar meu cabelo,
descobrir o que penso,
ser um pouco de mim...

Eu queria você
para me deixar contente
quando o mundo parece
desabar sobre mim.



Eu queria você para,
se eu chorar, chorar comigo
e saber o motivo,
ser meu amor e meu maior amigo.

Letícia Thompson

Foto:internet

segunda-feira, maio 18, 2009

Alegria no trabalho

O facto de a directora regional de Educação do Norte escrever com erros de ortografia e sintaxe e se exprimir num tartamudeio vagamente parecido com o Português, ou lá que língua é, não seria notícia no estado de coisas (um "Estado Novo" pois, como diria Pessoa, é um estado de coisas como nunca se viu) a que chegou a Educação em Portugal.


Notícia é continuar a fazê-lo, ante a mandarínica indiferença do Ministério da "Educação". Agora deu-lhe para o lirismo metafísico, num e-mail de agradecimento às escolas pelo seu "apoio" (pelos vistos está convencida de que tem o apoio das escolas): "Faz hoje 4 Anos./ Tem dias que parece que o tempo se emaranhou nas coisas e nas pessoas./ Tem outros dias em que tudo parece ter ocorrido ontem./ Contudo há algo que o tempo tem os limites certos".


É verdade que momentos, ou "algo que o tempo tem os limites certos", de boa disposição como os que provoca a correspondência da directora regional são importantes em dias de tensão como os que hoje se vivem nas escolas.


Talvez, quem sabe?, seja esse louvável objectivo que move Margarida Moreira: pôr as escolas a rir.



Manuel António Pina
In JN 18/05/2009

domingo, maio 17, 2009

Recebi este mimo!

Ouçam! Vale a pena!

I give her all my love
That's all I do
And if you saw my love
You'd love her too
I love her

She gives me ev'rything
And tenderly
The kiss my lover brings
She brings to me
And I love her

A love like ours
Could never die
As long as I
Have you near me

Bright are the stars that shine
Dark is the sky
I know this love of mine
Will never die
And I love her

Bright are the stars that shine
Dark is the sky
I know this love of mine
Will never die
And I love her

Sandro Botticelli morreu a 17 de Maio de 1510



Foi um dos mais importantes artistas italianos do Renascimento Cultural.

Desde jovem, dedicou-se à pintura mostrando grande talento para as artes. Nas suas obras seguiu temáticas religiosas e mitológicas.

Este importante artista resgatou, de forma brilhante, vários aspectos culturais e artísticos das civilizações grega e romana.

Fez retratos de pessoas famosas, da época.

As pinturas de Botticelli são marcadas por um forte realismo, movimentos suaves e cores vivas.

Da sua vasta obra destaca-se “O Nascimento de Vénus” e “A Primavera”. Nestas obras, observamos a valorização das forças da natureza, o realismo e o resgate da mitologia romana.






O Nascimento de Vénus


A Primavera




Inseri vídeo com algumas obras do pintor.
Apreciem!







Pesquisa:internet
Fotos:internet

quinta-feira, maio 14, 2009

Quem diz que a amizade virtual, não pode ser real?!

Há algum tempo estaria longe de imaginar que, ao decidir aventurar-me nos “meandros”da blogosfera iria encontrar amigas”virtuais” que o deixariam de ser!

Aconteceu!

Houve desde o início uma empatia entre nós, a Carla do blog “cor-e- vontade” e eu.
Depois de alguns meses de troca de comentários (bem divertidos e instrutivos), surgiu a oportunidade de nos conhecermos,”ao vivo e a cores”!!!
Fazíamos uma ideia uma da outra, acho eu!, pois tínhamo-nos “espreitado” numas fotos ,lá pelos nossos “cantinhos”.

Encontro combinado e marcado:
Colombo, porta do “Gato Preto”!

Cheguei primeiro. Olhei, olhei…e, pouco depois, alegre e rindo, a Carla apareceu!
Seguiram-se os beijos da praxe e a Carla perguntou-me se eu me importava que a Maria do “Fios de Alfazema” viesse ter connosco.

Assim, o encontro a duas foi a três.

Foi giríssimo!
Podem calcular!...
Falámos, falámos horas a fio, ou não fossemos mulheres…


Vejam a foto e adivinhem:
Quem é Quem”?


Colombo


Para abrilhantar o post do nosso “encontro”, a Carla sugeriu que inserisse um poema.
Escolhi este, de que gosto .



Um dia o amor
virou-se para a amizade e disse:
para que existes tu,
se já existo eu?
A amizade respondeu:
- para repor um sorriso,
onde deixaste uma lágrima.

(autor desconhecido)


A Carla presenteou-me com este “mimo”(uma telha pintada à mão)…uma delícia!...Como sabem, ela é uma “artista”!
Apreciem!



P.S. Este post já devia ter ido para o ar (dia 10), mas como podem imaginar, estive fora.

quarta-feira, maio 13, 2009

As mulheres, por Miguel Esteves Cardoso...




Só quando os homens chegam a uma certa idade é que podem dizer com certeza que as mulheres são melhores do que eles em tudo - mesmo na bola, a carregar pianos, a lutar com jacarés ou nas outras coisas em que ganhávamos quando éramos mais novos e brutos e fortes.

Quando se é adolescente, desconfia-se que elas são melhores. Nos vintes, fica-se com a certeza. Nos trintas, aprende-se a disfarçar. Nos quarentas, ganha-se juízo e desiste-se. Nos cinquentas, começa-se a dar graças a Deus que seja assim.

Os homens que discordam são os que não foram capazes de aprender com as mulheres (por exemplo, a serem homenzinhos), por medo ou vaidade ou estupidez. Geralmente as três coisas.


Desde pequenino, habituei-me que havia sempre pelo menos uma mulher melhor do que eu. Começou logo com a minha linda e maravilhosa mãe, cuja superioridade - que condescendia, por amor, em esconder de vez em quando - tem vindo a revelar-se cada vez mais.

As mulheres são melhores e estão fartas de sabê-lo. Mas, como os gatos, sabem que ganham em esconder a superioridade.

Os desgraçados dos cães, tal como os homens, são tão inseguros e sedentos de aprovação que se deixam treinar. Resultado: fartam-se de trabalhar e de fazer figuras tristes, nas casas e nas caças e nos circos.

Os gatos, sendo muito mais inteligentes, acrobatas e jeitosos, sabem muito bem que o exibicionismo vai levar à escravatura vil.
Isto não é conversa de engate. É a verdade. E é bonita.



Foto:internet

terça-feira, maio 12, 2009

Manuel Alegre , poeta e político português faz hoje 73 anos.


Como político, distinguiu-se na oposição ao regime salazarista e marcelista, tendo conhecido o exílio.

Após 1974 foi governante e deputado socialista.

A sua poesia combina a intenção política com uma dimensão lírica influenciada pela poesia trovadoresca e quinhentista.Para além do tom épico, tem também grande musicalidade, o que faz com que seja muito cantado.

Recebeu numerosos prémios literários entre eles o Prémio Pessoa em 1999.


Fonte: Enciclopédia Verbo na Internet


Inseri um poema de que gosto


Coração Polar

Não sei de que cor são os navios
quando naufragam no meio dos teus braços
sei que há um corpo nunca encontrado algures no mar
e que esse corpo vivo é o teu corpo imaterial
a tua promessa nos mastros de todos os veleiros
a ilha perfumada das tuas pernas
o teu ventre de conchas e corais
a gruta onde me esperas
com teus lábios de espuma e de salsugem
os teus naufrágios
e a grande equação do vento e da viagem
onde o acaso floresce com seus espelhos
seus indícios de rosa e descoberta.
Não sei de que cor é essa linha
onde se cruza a lua e a mastreação
mas sei que em cada rua há uma esquina
uma abertura entre a rotina e a maravilha .
há uma hora de fogo para o azul
a hora em que te encontro e não te encontro
há um ângulo ao contrário
uma geometria mágica onde tudo pode ser possível
há um mar imaginário aberto em cada página
não me venham dizer que nunca mais
as rotas nascem do desejo
e eu quero o cruzeiro do sul das tuas mãos
quero o teu nome escrito nas marés
nesta cidade onde no sítio mais absurdo
num sentido proibido ou num semáforo
todos os poentes me dizem quem tu és.

Manuel Alegre in" Poemas de Amor"
Foto:internet

segunda-feira, maio 11, 2009

Salvador Dalí, nasceu a 11 de Maio de 1904


Foi um dos mais importantes artistas plásticos (pintor e escultor) surrealistas de Espanha.
Desde a infância, Dalí demonstrou interesse pelas
artes plásticas. Em 1921, entrou para a Escola de Belas Artes em Madrid.

Conviveu com vários cineastas, artistas e escritores famosos, tais como: Luis Bruñel, Rafael Alberti e Frederico Garcia Lorca.Em 1929, foi para Paris e conheceu Pablo Picasso, artista que muito influenciou a sua obra artística. No ano seguinte, começou a fazer parte do movimento artístico conhecido como surrealismo.

A década de 1930 foi um período de grande produção artística de Dali. Nesta fase, o artista representava imagens do quotidiano de uma forma inesperada e surpreendente. As cores vivas, a luminosidade e o brilho também marcaram o estilo artístico de Dali.

Os trabalhos psicológicos de
Freud influenciaram muito o artista, neste período. É desta fase uma das suas obras mais conhecida, “A persistência da Memória”, que mostra um relógio derretendo.
Em 1939, foi expulso do movimento surrealista por motivos políticos.

Em 1960, Dali colocou em prática um grande projecto: o Teatro-Museu Gala Salvador Dali, na sua terra natal, que reuniu grande parte de suas obras.


A Persistência da Memória



Não sendo dos meus pintores predilectos, inseri vídeo, para que possam apreciar a sua arte.







Pesquisa:internet

sexta-feira, maio 08, 2009

A 08/05/1903 morreu Paul Gauguin

Gauguin nasceu em Paris e trabalhou como marinheiro mercante e corretor de acções antes de abraçar a carreira de pintor.

Embora Gauguin tenha ficado conhecido como um pintor pós-impressionista,os seus estudos de arte começaram com o pintor impressionista Camile Pissarro.

O período posterior a 1880 regista uma mudança radical na pintura do artista, que o conduziu aos estágios primordiais do pré-impressionismo.

Guaguin desenvolveu a técnica do "sintetismo", um estilo de representação simbólica da natureza onde são utilizadas formas simplificadas e grandes campos de cores vivas chapadas.

Depois de uma breve colaboração com Van Gogh e Cézanne, Gauguin mudou-se para a Polinésia.


Lá, trabalhou incessantemente, inspirado pelos temas regionais das florestas do Taiti que o cercavam.

A sua tela, mais famosa, "De Onde Viemos? O Que Somos? Para Onde Vamos?", foi pintada nessa época e é a maior e mais clara expressão do "sintetismo" de Gauguin.

Infelizmente, Gauguin só foi reconhecido como um pintor de grande importância após a sua morte, em 1903.


De Onde Viemos?O Que Somos?Para Onde Vamos?


Inseri vídeo com algumas das suas obras.


Apreciem! Vale a pena!






Pesquisa:internet

quinta-feira, maio 07, 2009

Sabedoria Popular

Alguns

de Maio
As favas, Maio as dá, Maio as leva.

Boa cepa, Maio a deita.

Chovam trinta Maios e não chova em Junho.

Em Maio queima-se a cereja ao borralho.

Em princípio de Maio, corre o Lobo e o Veado.

Fiandeira não ficaste, pois em Maio não fiaste.

Guarda o melhor saio para Maio.

Maio couveiro não é vinhateiro.

Maio frio e Junho quente: bom pão, vinho valente.

Maio hortelão, muita palha e pouco grão.

Maio pardo e ventoso faz o ano formoso.

Quando Maio chegar, quem não arou tem de arar.

Quem em Abril não varre a eira e em Maio não rega a leira, anda todo o ano em canseira.

Quem em Maio não merenda, aos finados se encomenda.

Tantos dias de geada terá Maio, quantos de nevoeiro teve Fevereiro.

Uma água de Maio e três de Abril valem por mil.

quarta-feira, maio 06, 2009

terça-feira, maio 05, 2009

Voltei ao baú!!!



Tirei de lá outra toalha em croché (linha fina). Diferente da anterior, mas também linda e delicada.

Claro! Sou suspeita!












segunda-feira, maio 04, 2009

Momento de Poesia



EU QUERIA TRAZER-TE UNS VERSOS MUITO LINDOS


Eu queria trazer-te uns versos muito lindos
colhidos no mais íntimo de mim...
Suas palavras
seriam as mais simples do mundo,
porém não sei que luz as iluminaria
que terias de fechar teus olhos para as ouvir...
Sim! Uma luz que viria de dentro delas,
como essa que acende inesperadas cores
nas lanternas chinesas de papel!
Trago-te palavras, apenas... e que estão escritas
do lado de fora do papel... Não sei, eu nunca soube o que dizer-te
e este poema vai morrendo, ardente e puro, ao vento
da Poesia...
como
uma pobre lanterna que incendiou!

Mario Quintana
Foto:Internet

domingo, maio 03, 2009

Dia da Mãe




Resumo da História do Dia da Mãe


O dia da Mãe começou a celebrar-se em 1914.Anna Javis, uma órfã norte-americana empreendeu uma campanha com esse fim e o dia foi decretado oficial no ano seguinte, em Maio.
Oferecia-se às Mães uma flor branca se a Mãe tivesse falecido, colorida no caso de ser viva.
Em Portugal, o dia da Mãe foi decretado oficial em 1936, celebrando-se a 8 de Dezembro. Actualmente festeja-se no primeiro Domingo de Maio.


Para uma informação mais detalhada leiam aqui



Dedico este poema a todas as mães do mundo, especialmente à minha.



Para sempre


Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
- mistério profundo –
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.


Carlos Drummont de Andrade ( Antologia Poética)



Apesar de triste, inseri esta bela canção que igualmente a dedico a todas as mães ausentes e presentes.





Imagem:internet

sábado, maio 02, 2009

Maio/ mês das Flores

O cacto, apesar da aspereza da sua forma externa, encerra no seu interior a beleza exótica das suas flores de cores vivas.

Encantem-se!





Fotos:recebidas por e-mail

Víseo:meu

sexta-feira, maio 01, 2009

Origem do mês de Maio


O nome do mês de Maio terá tido origem em Maia, mãe de Mercúrio, e a ele está ligado o costume de enfeitar as janelas com flores amarelas (as maias). Este costume ainda se mantém em várias regiões do país: era neste mês que se realizava a festa em honra de Flora – os jogos florais - ,sendo coroadas com flores as mulheres que se destacassem nos jogos.

Maio era representado por um jovem vestido de branco e verde, com uma grinalda de rosas na cabeça e, eventualmente, com uma lira numa das mãos e um rouxinol na outra.

Maias

Imagens:internet

Pesquisa:internet

Mona Lisa " Animada"

ShareThis