domingo, dezembro 30, 2012

Li e gostei (mensagem de fim de ano)


Foto minha


Para você ganhar belíssimo Ano Novo...
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.

(...)

Para ganhar um Ano Novo que mereça
este nome, você, meu caro, tem de
merecê-lo, tem de fazê-lo novo,


Eu sei que não é fácil mas tente,
experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
dorme e espera desde sempre.



(autor desconhecido)

quinta-feira, dezembro 27, 2012

Um olhar


Foto minha


Inverno, tens peculiar beleza.
Não faltam enamorados com certeza:
lembram-se dos desportos e da caça?
Há germinação p'ra que a seguir nasça!
O pinheiro não se despe e o alegra;
candeeiro raro cenário integra:
um refresca o ar com sua cor,
d'outro, o frio ilude, a luz e calor.


Agostinho Fardilha (o meu pai)
Coimbra

domingo, dezembro 23, 2012

Li e gostei


Foto minha


(...) Quem alguma vez amou
e quem ainda sente o amor,
 sabe que ele é uma ALEGRIA

onde também palpita a dor.

Porque o abraço envolve dois.
Não se pode ABRAÇAR sozinho.

(...) Quanto às pessoas, a sua linguagem
dos abraços é muito multicor.
Porque é INFINITA a criatividade
que um abraço contém.

Por exemplo:
Há os que gostam de se abraçar de verdade,
corpo contra corpo,

e os que gostam de se abraçar,
leve, ao-de-leve, nas pontas dos dedos.

Há os que gostam de se abraçar à distância,
ATRAVÉS DOS OLHOS.
O abraço entre eles é discreto, subtil.

abraços tão  LONGOS
que conseguem alcançar os céus
e abraços que nos percorrem dos pés à cabeça.
Em certos abraços as mãos ficam inquietas.
abraços feitos de sorrisos e de risos
e um abraço que conforta e vence a solidão.
E há abraços de alegria
e também abraços onde receamos
a hora em que teremos de nos separar.

Depois de uma briga, é muito consolador e jamais magoa
aquele abraço de reconciliação onde se recupera a paz.

A luz invade o escuro, a noite procura o dia.
Eis o abraço que envolve os contrários.

Um abraço quando se dança,
um abraço dentro do abraço
e, súbito, o abraço de despedida.

Um abraço carinhoso a desejarmos "boa noite"
e um abraço especial que nos diz "olá"
e aquele que nos fala apenas de "adeus".

O abraço que vem de MUITO LONGE NO TEMPO,
repleto de saudades,
mergulha no nosso coração
e jamais o esqueceremos.


quarta-feira, dezembro 19, 2012

domingo, dezembro 16, 2012

Momento de poesia com Agostinho Fardilha

João de Deus

(João de Deus Ramos)

(1830-1896)

“Foi estudar Direito para Coimbra, onde levou dez anos a completar o curso e conheceu alguns componentes da Geração de 70, de entre os quais se ligou sobretudo a Antero e Teófilo Braga. Em Coimbra, tornou-se popular como poeta e improvisador à guitarra, consagrando-se no ambiente de boémia estudantil da época. Depois de casado, leva uma vida mais ordeira e dedica-se à pedagogia, criando a célebre CARTILHA MATERNAL, publicada em 1876, método racional de ensinar a ler que propicia uma campanha contra o analfabetismo e que foi adoptada em todo o País.
João de Deus pertence cronologicamente à segunda geração romântica, mas afasta-se do chamado ultra- romantismo, cujos excessos sentimentalistas e funéreos condena. Já então defende uma depuração do lirismo romântico, propondo, na senda de Garrett, um regresso às fontes do lirismo tradicional galaico- português, do romanceiro e de Camões, de que retoma a arte do soneto.
A poesia de João de Deus impõe-se imediatamente pela sua enorme simplicidade e beleza. Toda feita de palavras simples, num tom coloquial, ora irónico, ora melancólico e sentimental, ela consegue ainda hoje impressionar pela técnica segura,pelo grande domínio de todos os metros, nas mais variadas combinações.
A poesia de João de Deus não deixa, pela sua simplicidade, de revelar interesse por tudo o que o rodeava à sua volta, e, à sua maneira, não deixou de ser um poeta militante, militante da poesia.
Teófilo Braga, que tinha por ele uma enorme admiração, organizou uma colectânea das suas poesias, em 1893, a que foi dado o  nome de CAMPO DE FLORES.
Se houve poeta que fosse celebrado em vida e durante ela recebeu as maiores honrarias, este foi sem dúvida o imortal cantor de “ A Engeitadinha”, que nem as gerações mais modernas esquecem de saber de cor”.


Recordemo-lo com as modestas composições que se seguem



I

Até do céu caem lágrimas


          1
Quem no Céu chorou?
Talvez Deus- Menino:
frio suportou,
sendo pequenino.

          2
Cá na Terra viu
d’Herodes a maldade
e com Pais fugiu,
não sem piedade.

           3
Foram degolados
muitos inocentes,
agora sentados
em divos aposentos.

                4
Com tanta injustiça,
o pobre de fome
à Virgem castiça
pede que p’ra ele olhe.

              5
Rota, quase nua
vai esta criança.
Como a Terra é crua
e sem esperança!

           6
Olha os sem- abrigo.
Que dor d’alma vê-los!
Coração amigo,
p’r’eles faz apelos.

Vocabulário:
castiça= pura

II

Os teus beijos


           1
Um beijo dás;
lesta serás?
     Não?
Na minha face
uma flor nasce:
   quão?

          2
Que aconteceu?
Um Anjo desceu.
         Só?
P’ra nós olhou
e não corou.
      Oh!

        3
Mais beijos, Amor.
Tens outra cor.
     Dois?
Junto de ti
E sempre aqui.
       Pois!

            4
Quero mais um;
logo, nenhum.
         Vês?
Beijos dão vida.
Já são, querida,
         três.


Vocabulário
Quão= como?
Pois= sim


III

Os meus Namorados

         1
Namoro com três
de desigual cor
um de cada vez.
O branco é uma flor;
do preto o nariz,
em nada pequeno,
brilha c’o verniz.
O outro é moreno.

               2
Todos o casamento
pedem. Serei tola?
Em mim há assento:
destreza vou pô-la,
querendo o melhor.
Já provei os beijos:
nenhum tem bolor.
Tenho outros desejos:

             3
apertados abraços;
mas que mal há nisso?
Não furam os regaços,
nem causam o enguiço.
O calor dos corpos
dá-nos excitação,
porém não aos mortos.
Tudo entra em acção.

              4
Temos de gozar,
porque curta é a vida.
P’ra saborear
qual boa comida,
não façais asneiras:
dizei que os amais,
mas ficai solteiras:
forras valem mais.



 Vocabulário:
Bolor= velhice
Forra= livre
Destreza= sagacidade


IV

Os olhos são janelas do coração


1
És planta em flor que cuidei.
Serei
dela seu tronco e amparo;
de rosas e cravos conjuntos,
juntos
muitos faremos, pois claro.

2
Choras. Olha para mim;
assim
vejo que estás a sofrer.
No teu coração há dor,
amor
também. A qual vais ceder?

3
Comigo podes falar,
gritar
até, pois essa tua Alma,
cristalina e muito pura,
agrura
não quer, mas somente calma.

4
Compaixão de ti eu tenho,
            e venho
mui ligeiro em tua ajuda.
Quero que toda a ternura,
candura
se erga e nunca fique muda.

Vocabulário
pois claro= certamente


V
A Engeitadinha

Por que choras, queridinha?
“Quero comer e agasalho”.
Não tens medo de andar sozinha?
Acabada de nascer,
pareces-me uma avezinha
que descuidada caiu
do ninho, no alto instalado.
A mãe (e)stá no povoado?
“Nunca a vi. Ela fugiu”.
A minha inda me criou,
mas Deus p’ro Céu a levou.




                                                                                  VI
                                                               
Saudades de Coimbra


Já tenho as solas rotas de subir
e descer as ladeiras por dez anos,
tornando-me o mais velho dos decanos
do Curso de Direito a concluir.

(E)studar e da guitarra o seu tinir
das cordas eram inimigos veteranos.
Até pielas e bródios os ufanos
e façanhudos lentes punham a rir.

E as tricanas roliças, boa perna,
n’águas do Mondego eu ia ver;
porém, no final d’ano vem paterna

reprimenda por mais um chumbo haver.
O coração terá saudade eterna,
pois qual tu, ó Coimbra, outra não ser.


Vocabulário:
Façanhudo= mal-encarado


Agostinho Alves Fardilha (o meu pai)
Coimbra


quinta-feira, dezembro 13, 2012

Um olhar


O Inverno bate à porta!
Há um prenúncio de "morte"!
Num último alento, os caducos ramos debruçam-se sobre o rio, tentando "beber" a vida!


segunda-feira, dezembro 10, 2012

Um Olhar




Embora o dia estivesse cinzento e melancólico, as flores iluminavam-no com a sua frescura, beleza e cor, sorrindo a quem por ali passava.

sexta-feira, dezembro 07, 2012

Um olhar




Percorro a estrada do meu Outono rumo ao  Inverno que não muito longe me acena.



segunda-feira, dezembro 03, 2012

Um olhar


Foto minha

Desalentada,  preferindo não se "erguer", qual imagem do nosso povo.

sábado, dezembro 01, 2012

Momento de poesia com Agostinho Fardilha


(Rei e Rainha nascidos neste mês)




Deram-te o cognome de o “Conquistador”
e bem o mereceste; és o fundador
zelante e sempre activo de Portugal:
em nossos corações serás imortal!
m (M) aria I era muito devota,
bom augúrio havia, mas logo se nota
ruim doença mental; Pedro auxilia:
obras e muitas Academias ela cria.

Agostinho Alves Fardilha (o meu pai)
Coimbra

Imagem : internet


Mona Lisa " Animada"

ShareThis