sexta-feira, julho 30, 2010

Descanso



A partir de hoje vamos de férias, eu e o blog. Continuaremos presentes, mas com a preguiça e lentidão a que temos direito.

Foto minha

quarta-feira, julho 28, 2010

Excertos de livros que gostei


“Quando te sentires perdida, confusa, pensa nas árvores, lembra-te da forma como crescem. Lembra-te de que uma árvore com muita ramagem e poucas raízes é derrubada à primeira rajada de vento, e de que a linfa custa a correr numa árvore com muitas raizes e pouca ramagem. As raizes e os ramos devem crescer de igual modo, deves estar nas coisas e sobre as coisas, só assim poderás dar sombra e abrigo, só assim, na estação apropriada, poderás cobrir-te de flores e de frutos. E quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não metas por uma ao acaso, senta-te e espera. Respira com a mesma profundidade confiante com que respiraste no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraia, espera e volta a esperar. Fica quieta, em silêncio, e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te, e vai para onde ele te levar”


Susanna Tamaro – “Vai aonde te leva o coração”

segunda-feira, julho 26, 2010

sexta-feira, julho 23, 2010

Recordando...

Passados 42 anos, revisitei o Penedo da Saudade, em Coimbra, e sofri uma desilusão...
O lugar encantador, fonte de inspiração para tanto poeta, do qual guardo recordações inesquecíveis, encontra-se neste estado de abandono.


Fotos minhas
Vídeo meu

quarta-feira, julho 21, 2010

Lendo Pablo Neruda



Saudade



Saudade é solidão acompanhada,
é quando o amor ainda não foi embora,
mas o amado já...


Saudade é amar um passado que ainda não passou,


é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida...


Saudade é sentir que existe o que não existe mais...


Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam...


Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou.


E esse é o maior dos sofrimentos:
não ter por quem sentir saudades,
passar pela vida e não viver.


O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido.

Pablo Neruda
Foto: internet (quadro do pintor Vladimir)

domingo, julho 18, 2010

Recordando...

Clicar para ler


Um pouco do exterior do Castelo



Um pouco do seu interior

Fotos minhas

sexta-feira, julho 16, 2010

Li e gostei


" Há tantos burros mandando em homens de inteligência, que às vezes fico pensando, se a burrice não será uma ciência."

(António Aleixo)

Foto minha

quarta-feira, julho 14, 2010

Um olhar



As Tasquinhas, feiras consagradas à gastronomia regional, abundam de norte a sul, durante todo o ano.
Gosto de as visitar, apreciando as suas diversas barraquinhas com suas especialidades e cheiros característicos, apenas parando nas dos doces e queijos.


Fotos minhas

domingo, julho 11, 2010

Momento de Poesia com Agostinho Fardilha

Francisco Rodrigues Lobo

“ Nasceu, em Leiria, a 1579 ou 1580 e faleceu a 1621. Formou-se em Direito pela Universidade de Coimbra.
Dos discípulos de Camões, é o Poeta com mais originalidade e mais consciência dos padrões estéticos a que visava. Algumas das suas obras exercem um papel importante na formação do estilo barroco peninsular, sem, por outro lado, deixar de ser uma personalidade muito característica da escola camoniana.
Ele pode, porém, ser considerado como poeta- ponte entre o classicismo quinhentista e o cultismo e conceptismo seiscentista”.

Vamos lembrá-lo com



I – Soneto

II – Cantiga

III- Endechas

(Solilóquios de F.R.Lobo)

 
 
I-Soneto
 

Que saudades do tempo de outrora:
com as Ninfas do Mondego eu falava;
sentado em rochedo desabafava,
abrindo o coração, onde Ela mora.


Pedia que falassem sem demora
das manhas que às vezes o Amor usava,
pois, quando junto d’Ela suspirava,
incomodada, ia-se logo embora.


Por que Amor esconde tantos segredos,
acatando eu suas estranhas leis?
Que Amor devo escolher ou desejar?


Do meu peito saem ais e não folguedos;
no meu rosto só tristeza vereis.
Cuidados meus, Ela alguém quer amar?


II – Cantiga


Mote


Olhei, vi-te a tomar banho
nas águas frescas do Liz.
Meu Deus, fiquei tão feliz
que até de falar me acanho.


Voltas


Teu vestido era decente.
Porém, colado ao teu corpo,
vendo-o, fiquei absorto,
como que do mundo ausente.
Olhai Vénus, com assanho,
por tais raras perfeições,
dos pés às tuas feições.
Assim, já puco me acanho.


Minto, se te não disser
que teu corpo desejei.
Perdão, meu Deus, eu pequei.
Fizeste homem e mulher:
o meu pecado é tamanho?
Por que lhe deste beleza,
que faz de mim sua presa?
Ora, de nada me acanho.


III – Endechas


Jamais eu tive paz.
Negou-ma a Inquisição
pela filiação,
qual ferrete tenaz.


Filho de cristão – novo,
de mim desconfiavam,
mesmo os que me estimavam:
éramos outro povo.


Até alguns da nobreza,
camaradas de estudo,
que me dvem o canudo,
p’a mim foram surpresa.


No mundo reina o ódio,
inveja literária,
cobiça temerária,
tendo o mal seu custódio.


E os temas morais?
Mui poucos os valorizam.
Belas – artes minimizam.
Que reveses há mais?


Foi-se a independência:
quem governa é a Espanha.
Da Inquisição a sanha
foi do povo a demência!


Nunca pude escrever
o que a alma sempre quis.
Ora vou p´ro meu Liz,
onde espero morrer.


Agostinho Alves Fardilha (o meu pai)

Coimbra

Foto:internet

sexta-feira, julho 09, 2010

Um olhar


Para uns uma iguaria, para mim uma repulsa.
Com o despontar do tempo quente, as esplanadas enchem-se de massas anónimas de pessoas que se deliciam com este "rastejante", "encharcando-o" com "umas cervejinhas".
Prefiro vê-los, como estes, no seu habitat.


Foto minha

Mona Lisa " Animada"

ShareThis