sexta-feira, outubro 01, 2010

Momento de Poesia com Agostinho Fardilha


Oitavo mês do repertório antanho
uberou, então, o décimo da agora;
terminou das uvas e milho o apanho,
urge colher as castanhas: está na hora;
berros e protestos em Paris:
reclama a multidão infeliz
o poder, sendo do Rei juiz.

Agostinho Alves Fardilha (o meu pai)
Coimbra

10 comentários:

Anónimo disse...

Belo e perfeito acróstico que abarca o essencial do mês.

Abraço

Bella disse...

olá amiga

Obrigada pelos comentários constantes! Beijinho e óptimo fim de semana... estou em viena austria numa conferência.

comunicadoras disse...

Em pouco este poeta, creio que seu pai, disse o importante do mês de Outubro. Muito bonito! Gostei! Um beijinho e um bom fim de semana
Emília

Daniela Tavares disse...

Olá Elisa!

fantástico e artístico pai, sem dúvida. :)

Beijinho,
Daniela Tavares.

Anónimo disse...

O nosso amigo e poeta Agostinho Fardilha "brinca com as palavras" e daí sai o resultado a que todos nós já nos habituamos.Ou seja com a palavra «antanho» conseguiu obter um trocadilho do passado com o presente e despertar a curiosidade do leitor.
A mim pessoalmente fez-me recuar uns tempos atrás e sentir que o reviver e o viver são sinal de vida.

Por motivos pessoais não me foi possível fazer comentários dos seus trabalhos anteriores.
Hoje, com muito gosto aqui estou.
Na verdade nós somos um todo , constituído por partes.
Neste "todo" mês de Outubro o nosso poeta também consegue com o seu Acróstico somar duas coisas numa só, ou seja:
Refere que este mês era
«Oitavo mês do reportório antanho»
e agora," no nosso tempo"
«...então, o décimo da agora»

Temos em simultâneo um espaço onde se fala do passado e do presente.
Que facilidade de escrita!!!
Invejável!

De imediato salta para o terceiro verso, rematando o que já se fez

«terminou das uvas e milho o apanho»

Tudo corresponde à faina agrícola, mas duma forma bem ritmada.

Mas o passado já não conta! Vamos ao presente .O que urge fazer?
É caso para dizer que o lavrador é uma pessoa que não pára no tempo.
Mas um conselho, um aviso, para um eventual esquecimento é sempre bem
aceite.

«Urge colher as castanhas; está na hora;»

Mas o mundo está em grande conflito.

««berros e protestos em Paris;

Meu Deus,que ponto crucial aqui foi registado! Sim . Em Paris e por outras partes do mundo.
Todos " protestam" e não é caso para menos!!!
Em todas a parte se

«reclama a multidão infeliz«

A rima é perfeita e bem realista!

«o poder, sendo do Rei juíz.»

Este acróstico é tão pertinente!

O domínio das letras dão-nos esta visão da actual situação em que se vive.

Parabéns, mais uma vez pelo seu trabalho.
Gostei imenso.
O que se pode fazer com as palavras!!!
O que pode fazer com as palavras quem está, esteve e estará com capacidade intelectual que lhe é inerente?!
Pretendi!? O quê?
«Ser um espaço onde se fala sobre "cousas" do passado sem esquecer obviamente o presente.»

Sim! esta interrogação estará presente na mente do nosso poeta.
Com muito engenho e sabedoria, Dr. Agostinho!

Muito bem haja!

Para ti, Elisa um abraço amigo .
Parabéns, pela tua filiação!

Graça Pereira disse...

Os acrósticos do teu pai são sempre perfeitos. Gostei de todos eles!
Beijos amigos
Graça

lis disse...

O poeta Agostinho com seu belo acróstico mensal que encanta a todos.
Parabéns pelo "Outubro "
um grande abraço

ΛмeвΛ disse...

Bom outubro.

Prazer, ΛмeвΛ!

mfc disse...

Mais um acróstico, sempre com o rigor a que nos habituou.

Anónimo disse...

Um grande Poeta o teu Pai, gosto muito de ler sempre o que ele escreve, mas também já tinha saudades de ler o comentário da nossa amiga Anónima. Bjs

Mona Lisa " Animada"

ShareThis