segunda-feira, novembro 22, 2010

Momento de Poesia com Agostinho Fardilha

Poesia do século XVII

A poesia lírica Cultista e Conceptista

O cancioneiro barroco: a “Fénix Renascida” e o “Postilhão de Apolo”



E a “viagem” é retomada. Agora com o poeta

Jacinto Freire de Andrade


A uma mosca bisbilhoteira


Sextilhas


És uma mosca audaz,
co’a esperteza suplantando o tamanho;
julgo-te até capaz
d’entrares em baú forrado a estanho.
Penetras e escondida
bisbilhotas, a rir, de todos a vida.


Como consegues entrar
em suposto fortim impenetrável?
Tal cupido a picar
um, o corpo; outro, o coração afável.
Devias ter pudor,
não dizendo às amigas o teu penhor.


Foste velhaca e má
ao contar-lhes o que viste na alcova
de um casal por Deus já
abençoado. Outro assunto te mova:
corrupção dos políticos,
mercância poluta dos sibaríticos.


És noctívago bicho
para melhor acometeres a vítima;
ébrios por capricho
escolhes para tua cor legítima
tentares encobrir:
serás sempre feia ora e no porvir.


Insecto repelente
pela tua porca alimentação.
Nem parece contente
o vidraceiro com a dejecção.
Tens sonido irritante,
que todos consideram aviltante.


Ao criar o Universo,
parece que Deus de ti se esqueceu;
do nada e ao inverso
te fez, mas dizem que se arrependeu.
Do ser a brevidade
não se compara co’ a tua maldade.


Corpo tão reduzido,
sempre na sombra; o Sol nem te descobre.
Provocas alarido,
quando aferroas algum rico ou pobre.
E se uma mão pesada
em ti cair? Ficarás esmagada.


Se promessa fizeres
de igualmente revelares ao Mundo
d’homens e de mulheres
o desejo do regresso profundo
d’amor e caridade,
rogarei que a lenda seja verdade. (a)


a) referência à lenda de que, no princípio do Mundo, os seres irracionais eram dotados da linguagem dos humanos.


Imagem:internet

Agostinho Alves Fardilha (o meu pai)
Coimbra

16 comentários:

Lis disse...

Oi Agostinho
Maravilha de poesia .
Inseto que causa exatamente tudo que o poeta invocou e mais ainda rs
Já pensou que "velhaca" revelando segredos de alcova!! rs
muito bom o vocabulário usado , bem mais apurado do que hoje ,principalmente aqui na internet que internautas criaram outro dialeto rs
Um grande abraço, obrigada pela escolha.
fique bem

Milai disse...

Bom dia, Elisa!
Mais uma vez dá os meus parabéns ao teu Pai. Como ele conseguiu retratar tudo o que uma mosca é num belo poema.
Bjs

mfc disse...

Um insecto tão aborrecido... quanto necessário!
Um poema atraente sobre um ser nada atraente... e a métrica sempre irrepreensível.

wallper.lima disse...

Oi Elisa.Tdo. bem? Espero q sim. Parabéns pela herança cultural; deves te orgulhar. Tudo muito lindo e real.
Beijos. Lourdes e Waleria

Bella disse...

A foto da mosca está bem detalhada... não é por nada, mas não são nada lindas rsss! parabéns pela poesia! Bjs

Savi disse...

Olá Elisa
Se me permite envio um grande beijinho para o poeta Sr. seu pai.
Concordo com o que é dito na poesia sobre a mosca insecto que detesto.
Beijinhos
Savi

Graça Pereira disse...

Um verdadeiro poeta faz de um insecto imundo...um dos melhores poemas do mundo!!
Adorei! Parabens ao teu pai!
beijos
Graça

Nilson Barcelli disse...

Mais um excelente momento poético.
O baú da poesia do teu pai parece não ter fundo...
Querida amiga, bom fim de semana.
Um beijo.

rosa-branca disse...

Lindo poema minha amiga. Os meus parabéns ao poeta. Beijos com carinho

Maria Luisa Adães disse...

lindo o poema de seu pai
e linda filha Deus lhe deu,
para trazer sua bela poesia
Ao Cimo!


Maria Luísa

Mal-Me-Quer Bem-Me-Quer disse...

Olá Elisa
Um insecto que eu detesto, ao contrário deste poema do teu pai que está lindo.
Beijocas
Ana Zuzarte

Cristina Fernandes disse...

O encanto das pequenas coisas, que faz da poesia algo de grandioso...
Beijinho
Chris

Anónimo disse...

Inicio este comentário, com uma pergunta:
-Sabes quem é?
Que te faz rir nos momentos difíceis...
Quando aparece é uma boa surpresa...
Que ilumina o dia...
Que partilha vivências, sem esperar nada em troca...
Que é bom, mas cada vez é melhor...
Que sabe que a vida não será a festa que todos nós desejamos,mas enquanto está por cá consegue "dançar"...
Que sonha mais, estando acordado...

Tenho grande satisfação em dar a resposta.Nada mais nada menos que o nosso poeta Agostinho Fardilha!

Aprendemos que "só " com boa matéria prima é que se consegue bom resultado!?
Levanto a questão se será mesmo verdade.
Então não é que, com um simples insecto chamado" mosca" se brinca com tanta perícia e técnica e se obtém um trabalho poético excelente!!!

Confesso que quando me deparei com este bichinho" tão repelente" instintivamente desliguei os neurónios.
Mas o ser humano, um ser superior, tem por obrigação vencer ou tentar vencer os obstáculos que lhe vão surgindo!!!
Houve uma décima de segundo e passei à fase seguinte...ler os comentários.
Subscrevo todas as avaliações feitas .
Ninguém, ninguém mesmo, gosta de moscas.

Mas esta mosca não é uma mosca qualquer!!!
Mereceu que o poeta se dirigisse a ela,e se fixasse nos seus "valiosos atributos":


«Audaz;velhaca e má; feia ; noctívago;bicho;repelente;irritante;»

O poeta não se serve deste"animal " para nos sensibilizar com as suas boas obras.

Assim, e com muita ironia é-lhe atribuído logo na dedicatória um expoente máximo

«A uma mosca bisbilhoteira»

E um tratamento de tu a tu.São bem conhecidas as suas intenções.
«julgo-te até capaz»

Note-se este paradoxo

«d'entrares em baú forrado a estanho.

E insiste com perícia de inventor

«Penetras e escondida
bisbilhotas, a rir , de todos a vida.»

Só na primeira sextilha evidencia-se sem margem de dúvida, que o autor pretende apenas ser extravagante, descritivo , sensorial.

É também muito ousado na descrição. Demonstra-se indignado por tal acto

«Como consegues entrar
em suposto fortim impenetrável?
Tal cupido a picar
um, o corpo; outro, o coração afável.»

Joga muito com as palavras e as imagens.

É fantástico como se vão desenrolando as acções e como a crítica é feita com muita severidade.

«Foste velhaca e má( que insulto tão directo!)
ao contar-lhes o que viste
.........................
de um casal por Deus já
abençoado.

Aquando de histórias sobre animais sobrepunha-se de imediato uma conclusão moralista para o ser humano.
Mas nada disto acontece.

É acusada. É ameaçada.
No entanto há uma certa "beleza", que até aqui não se sentiu, quando é feito "um ultimato"
«Se promessa fizeres
de igualmente revelares ao mundo
...............................
rogarei que a lenda seja verdade»

Enfim.Fico-me por aqui. Fica-me a pena de não conseguir exprimir melhor aquilo que penso.Se eu fosse poeta...

É inacreditável e inegável o seu trabalho.
Que poder mágico tem esta mosca. Afinal até parece mesmo verdadeira.

PARABÉNS! PARABÉNS! PARABÉNS!
Quem sabe , sabe!

Elisa, mais uma vez um abraço também de parabéns.

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Muitos parabéns ao teu Pai por tão magnifica homenagem à nossa mosca. Achei demais!!! O diabo do insecto, tão insignificante é mesmo tudo isso que o teu pai descreve. Mas olha, a partir de agora vou ter mais respeito pela mosquinha e sabes porquê? Porque ela não é preconceituosa; ela importuna ricos e pobres, negros e brancos, cristãos, mulçumanos, judeus e até os outros seres irracionais. Para ela todos são iguais. Sim senhor!!! Parabéns à Mosca! Lindo, Mona Lisa! Beijinhos
Emília

Maria Alice Marques disse...

Olá Elisa
Parabens ao seu pai, por este lindo poema sobre a mosca,um insecto que me repugna mas que está muito bem retratada neste poema .
Beijinhos
Alice Marques

Savi disse...

Olá Elisa
Como é amiga!!!...no meu cantinho tenho uma postagem do seu aniversário e chego aqui e nada!!!...o que se passa???
Beijinhos Savi

Mona Lisa " Animada"

ShareThis