sábado, junho 16, 2012

Momento de poesia com Agostinho Fardilha


Alexandre Herculano

(1810 – 1877)



“ Nado e criado em plena derrocada do velho Portugal, Herculano, em contraste com Garrett, formou-se inteiramente dentro do Romantismo.

Poeta, romancista, historiador, ensaísta e polemista,Herculano é, sem dúvida, a par de Garrett, a grande figura fundadora do Romantismo em Portugal.

No que diz respeito especificamente à sua obra poética, Herculano exprime, desde os primeiros versos, o paralelismo temático religião- pátria como profissão de fé do poeta romântico, integrando-o na sua visão liberal da sociedade. Note-se ainda um outro aspecto da sua obra poética: a oposição cidade/campo.

Quanto à versificação, predominam, em Herculano, a estrofe em verso branco, segundo a tradição arcádica, e a quadra, sobretudo em redondilha. Pode considerar-se romântica a diversidade métrica dos seus poemas longos”.



Vamos tentar render homenagem a este “Grande Homem de Letras”, através das composições poéticas que se seguem.



A Harpa do Crente
(colectânea de poesias)

Com que alegria dedilho a minha Harpa,
saudando a rósea Aurora nascente,
que ao Sol abre as portas até ao poente,
tudo despertando do vale à escarpa.

Animava os banquetes, sendo a carpa
raro petisco para rica gente;
no povo também estava presente,
se o pescador voltava e o barco arpa.

Sou crente e com Harpa louvo esse Deus
que ofereceu ao Homem a Natureza,
cujas fronteiras são a Terra e os Céus.

Por todo o lado e em tudo, eis Beleza!
Dela ornemos as nossas Almas, quais véus,
não vá Ele aparecer de surpeza.

Vocabulário
arpar ou arpear = ferrar (lançar ferro)


O Bom Pescador

Por guia as estrelas
lá vais para o mar
a vida ganhar,
ó bom Pescador.

Preocupações
abafas cantando;
o mar ondulando
não te dá temor.

Tua voz c’o a brisa
amainam as águas,
esquecem-se as mágoas
e à noite dão cor.

Acordas os peixes:
fogem para as redes,
que não têm paredes
p’ra lhes dar alvor.

És muito feliz.
não queres o mal
a nenhum mortal.
É lei do senhor.

O mar está bravo?
Pensas na família.
Ficas de vigília
e vai-se o pavor.

Nã caces o miúdo
peixe. Tubarão
mata. Ele é ladrão,
Do dolo fautor.

Vi-te no sermão
do bondoso António.
Rugia o demónio,
ouvindo o Doutor.

Pescador, sê bom:
mata a fome ao pobre.
Levarás no dobre
todo o nosso amor.


A Cruz Mutilada

Quem te feriu, ó Cruz do meu Senhor?
Estás ensanguentada.
Quando Te vejo na Igreja ou ermitério,
tristeza é ampliada.
Venero-Te em qualquer lugar que estejas:
na campa do defunto,
nas festividades que pedem insenso,
nos préstitos em conjunto
com floridos andores e muitas bandeiras.
E, de noite, o luar
descobre-Te no meio dos ciprestes:
não resisto a chorar,
porque Te amo, ó Cruz por nós mutilada.
Mas também és o tecto
da morada de conhecida vítima
de alguém não descoberto.

Agostinho Alves Fardilha (o meu pai)
Coimbra

20 comentários:

Anabela Jardim disse...

A crença numa força superior enobrece a nossa alma!

Anónimo disse...

Autor de uma extensa e diversificada obra, agrada-me sobretudo como romancista e historiador.

Admirei a homenagem que lhe foi feita pelo teu pai.

Abraço.

AA.

Margarida Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Margarida Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Margarida Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Margarida Costa disse...

Ohhh meu Deus!!! Gosto tanto do último "A Cruz Mutilada". Que grande poeta é o seu PAI!
Beijinhos para ambos! ;)


*O meu pc não está bom!

Isabel disse...

Mea culpa...mea culpa...pouco conheço da sua poesia.

“Eurico, o presbítero”, para mim, a sua melhor obra.

Beijos.

Magia da Inês disse...

°`♥✿✿⊱╮
♡¸¸.•
São tão belas essas poesias!
Bom fim de semana!
Beijinhos.
Brasil
¸.•°`❤✿⊱╮

Fernanda disse...

Muitos parabéns ao senhor seu pai POETA.

Beijinhos

São disse...

Junto-me gostosamente a esta merecida homenagem a um dos maiores Homens que Portugal já teve: Alexandre Herculano.

Uma serena noite

Lídia Borges disse...

Mais um trabalho a merecer leitura atenta. Uma seleção de poemas que retrata a obra do poeta.


Um beijo

O meu pensamento viaja disse...

Continuo a descobrir encantos em cada regresso a Herculano.
Beijo

Lilá(s) disse...

Mas que linda homenagem prestada pelo teu pai! um beijinho para esse senhor teu pai poeta.
Bjs

Mariz disse...

Linda homenagem, amiga...parabéns!

beijos!

lis disse...

Confesso que já li Garrett, mas Alexandre Herculano ainda não.
Agradeço ao Sr.Agostinho a oportunidade de saber um pouco mais
dos poetas românticos daquela época.
Belas composições poéticas Mlisa,especialmente 'O Bom Pescador",muito interessante o formato.
um abraço, bom domingo aos dois queridos!

Silenciosamente ouvindo... disse...

Como precisávamos de homens "agora"
como o Alexandre Herculano.
Belíssima homenagem que o sr. seu
pai lhe prestou. Diga-lhe que
lhe envio um beijinho e para si
também.Bom domingo para vós.
Irene

mfc disse...

Herculano merece ser recordado pelo seu valor literário intrínseco, mas também pelo Homem íntegro que sempre se revelou ser.
Essa integridade manifesta-se na sua página de historiador (sempre relatando com objectividade, mesmo que a verdade contrariasse o seu querer) e na sua vertente de político que se desiludiu cedo com o compadrio monárquico de fim de regime.
Aliás situações similares que ocorreram no século seguinte durante o Estado Novo e na actualidade.
É bem verdade que a partir de uma geração os regimes se corrompem... todos eles!

Pérola disse...

Estudei vida e obra do Herculano bem como Garret no 'Liceu'.
Gosto muito do Romantismo.
Parabéns ao pai pela bela lição de literatura!
Um beijo.

Nilson Barcelli disse...

Admiro imenso o teu pai.
Dá-lhe um abraço por mim.
Lisa, minha querida amiga, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
Beijo.

Mena disse...

Bela homenagem!

Bj

Mona Lisa " Animada"

ShareThis