terça-feira, novembro 28, 2017

Um olhar


 Esta escultura existente no parque tem gravado na pedra o seguinte: Maria Alice C. Pereira - Julho 1956 



A Escultura do Parque D. Maria II  (Santo Tirso)

Quando no nosso dia a dia atravessamos o bonito parque desta vila, nossos olhos, quase inconscientemente, quedam-se num sugestivo grupo escultórico que, além dum simples olhar, merece a nossa admiração e até bem pode constituir para nós um justo motivo de orgulho. Talvez estas palavras possam ser consideradas exageradas, mas elas têm aqui o seu significado exacto. É que, se possuir uma obra de arte é sempre um motivo de orgulho, no caso presente é-o muito mais, pois se trata de um trabalho executado por alguém que há relativamente pouco tempo ainda, ensinou na nossa Escola Industrial.
A Escultora Snr.ª D. Maria Alice, pela sua dedicação e constância no trabalho escolar, pelas suas notáveis qualidades artísticas, pelas virtudes peregrinas do seu coração, ainda não está esquecida, nem estará jamais de quantos tiveram a felicidade de serem seus alunos. E esta escultura, com que presenteou a vila de Santo Tirso e o seu parque, é bem a prova dos seus dons, perante os quais justo é nos curvemos reverentes.
Fazer escultura não significa apenas dar uma forma ao barro, ao granito, à madeira. É mais. É imprimir a esses materiais, frios e inertes, um pouco do nosso ser, da nossa vida. A concepção de uma obra de arte, o desbobinar do seu processo evolutivo, são coisas muito diferentes do que qualquer pessoa possa imaginar.
E que nos dizem essas duas figuras, impregnadas dum misto de poesia e encanto, além da sua função decorativa? Não quererá aquele “dar as mãos” simbolizar uma fraternidade que teimosamente queremos esquecer, por nos acharmos seguros de nós próprios, confiando demasiadamente na nossa pessoa e esquecendo que, unidos e confiantes, mais e melhor podemos dar e possuir? Sim, aquele grupo decorativo demonstra bem a necessidade de confiarmos uns nos outros, dando-nos as mãos firme e fraternalmente.
E a escultora Snr.ª D. Maria Alice – alma verdadeira de verdadeira artista – a um bloco duro, e frio, que na sua forma tosca e natural nada nos dizia, transmitiu algo de grandioso e sublime, concretizando assim as suas ideias no mundo plástico da Arte.
Pela professora D. Etelvina Soares

In «vozes do ave» - Ano 4 - n.º 10 - 10 de Março de 1964
Edição e Propriedade do Centro Escolar N.º 2 da Mocidade Portuguesa – Ala de Santo Tirso – e dos alunos da Escola Industrial e Comercial de Santo Tirso

Fonte: Página do facebook (Santo Tirso com História)

16 comentários:

✿ chica disse...

Adorei a escultura e saber sobre ela! bjs, tuuuuuuuuuudo de bom,chica

Catarina disse...

Uma escultura muito bonita.
: )

Larissa Santos disse...

Bom dia
Uma escultura cheia de beleza.

Hoje: [ Natureza Instigante, enamorada...]

Bjos
Uma boa Terça-Feira

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Uma bela escultura que enriquece o jardim.
Uma boa semana.

Andarilhar
Dedais de Francisco e Idalisa
O prazer dos livros

Cidália Ferreira disse...

Um olhar fascinante! Amei

Beijo e uma excelente semana

Remus disse...

Está muito bem.
Perfeitamente enquadrada no ambiente do jardim. Marca o lugar, mas não destoa.

O meu pensamento viaja disse...

Que bonita, Elisa!
Beijinhos

Zulmira Romariz disse...

Linda e feminina a escultura, só podia ser trabalho de uma mulher, bjs

Manu disse...

Assim como gostei muito da estátua, prendeu-me também a história e a merecida homenagem.

Beijinhos Elisa

Pepi,Xixo,Juja,Jujuba disse...

Boa tarde, Elisa
Linda escultura e gostei de saber mais sobre ela.
Beijinhos mil de
Verena e Bichinhos.

lis disse...

Um lindo olhar Elisa
Escultura que imprime muita ternura e beleza _coração lindo da escultora.
Um abraço

Os olhares da Gracinha! disse...

Gostei de conhecer!!!
bj

Ailime disse...

Uma escultura muito graciosa e uma bonita homenagem.
Beijinhos,
Ailime

Liliane de Paula disse...

Maria Alice deve ser a escultora.
Trabalho pesado de escultora.

Ana Freire disse...

Adorei a história que está por detrás da estátua!...
Uma belíssima obra, que deu alma à pedra... bem como laços de ternura e afectividade... inquebráveis...
Gostei imenso da imagem... como sempre com um enquadramento irrepreensível!...
Beijinho
Ana

redonda disse...

Gostei muito da escultura e do texto, quando olhei as figuras pensei na vida e no sentimento que transmitiam.

um beijinho

ShareThis